Pedalando em silêncio, em luto e por mais respeito

Por Lucio Flausino Dias Junior

No último domingo, mais uma ciclista foi vítima da violência no trânsito do Recife.

A morte de Sandra Lúcia em Boa Viagem foi mais uma das mortes, que ainda são desconhecidas ou chamam pouca atenção em uma sociedade que parece encarar anestesiada, o impacto da violência no trânsito sobre a morte, principalmente de pedestres e ciclistas, mas também de motociclistas e motoristas.

Os problemas de trânsito tem seu componente de exclusão social bastante acentuados em casos como este no bairro de Boa Viagem. As comunidades, próximas a uma das áreas mais ricas da cidade, possuem uma via expressa que dificulta sua mobilidade. Via expressa, porque a avenida onde aconteceu o acidente é o caminho natural de uma das obras viárias mais controversas em curso no Recife – a Via Mangue, que pretende rasgar o mangue, criando uma via expressa ligando o centro do Recife à zona sul da cidade e região metropolitana numa via expressa sem semáforos, com velocidade de 60Km/h. Com a avenida iniciando-se imediatamente após o final da futura Via Mangue, o processo de isolamento das comunidades tende a acentuar-se, indo além dos carros velozes que ignoram a situação de pobreza na área e do canal que corta o bairro.

Porém, esse acidente não foi o último, nem no Recife, nem em outras cidades de outras regiões ou países. A fragilidade presente no conjunto quase simbiótico entre ser humano e motorista é um alvo fácil para mostoristas imprudentes e desrespeitosos, que impõem uma dinâmica de violência nas ruas, desumanizando as cidades.

Em 2003, Larry Schwartz é morto, ao ser atropelado por um ônibus escolar na cidade de Dallas, nos Estados Unidos. Inconformado com a morte do amigo, Chris Phelan, tem uma ideia de organizar um passeio em memória da morte do amigo e para chamar a atenção para ciclistas que pedalam pelas cidades. Usando a propaganda boca a boca e muitos contatos, em 10 dias,  mais de 1000 ciclistas atenderam ao chamado para o primeiro Ride of Silence [Pedal do Silêncio, em tradução livre].

Nos anos seguintes, o passeio, caracterizado por ciclistas em trajes brancos ou faixas pretas em memória de ciclistas, condutores de veículos não-motorizados e pedestres aumentava, tanto na cidade onde se iniciou, espalhando-se pelos E.U.A. e outros países. Até chegar em 2008, com a participação de quase 8000 pessoas, em 296 cidades, em 18 países.

A necessidade de chamar atenção para cidades mais humanas é válida e trouxe a tona a revolta das pessoas em cidades onde o automóvel dá a dinâmica de espaços onde as pessoas estão cada vez mais segregadas e distantes umas das outras. O Ride of Silence é mais uma dessas manifestações, onde se mostra aquilo que a cultura do automóvel teima em esconder: a vida – frágil que há fora da redoma de metal.

Fonte: Vá de bike (http://verd.in/zdg7) - Memorial em homenagem à ciclista Márcia Prado, morta em 2009, em São Paulo. Clique na imagem para ampliá-lo

O Pedal do Silêncio – Recife 2011, acontecerá pela primeira vez aqui, contando com a participação de ciclistas, patinadores e quem mais estiver interessado em participar em memória e luto, mas também celebrando a vida e o respeito no trânsito.

Clique na imagem para ampliar

SERVIÇO

PEDAL DO SILÊNCIO – RECIFE 2011

DATA: 21 de maio [Sábado]

LOCAL: Praça do Derby

HORA: 8h00 [concentração]/10h00 [saída]

ATIVIDADES: Pintura de stencils em camisas, passeio ciclístico em silêncio

RECOMENDAÇÕES: Use roupa branca ou uma tarja preta, passeio recomendado para qualquer pessoa, com ou sem experiência, levar alimentos, água, roupas para as vítimas das chuvas do início de maio na Zona da Mata sul.

DURAÇÃO: Cerca de 1 hora.

MAPA: http://goo.gl/maps/kRVG

Informações:

 http://www.rideofsilence.org/main.php – Site do Ride of Silence [inglês]

http://ghostbikes.org/ – Site do Ride of Silence [inglês]

http://bicicletada.org – Site das Massas Críticas no Brasil [português]

Anúncios
Esse post foi publicado em Cicloativismo, Informes. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Pedalando em silêncio, em luto e por mais respeito

  1. PinhaFixa disse:

    Caros amigos de Recife, bacana saber que vcs tb existem. Meu nome é Eduardo e fui vitima do atropelamento do Golf preto aqui em Porto Alegre, mais precisamente sou eu quem esta sendo arrastado em cima do capô naquela filmagem macabra. Infelizmente neste pais temos que lidar diariamente com motoristas que acham que as ruas foram feitas somente para eles. Deixo aqui meu repudio a esta mentalidade instalada na sociedade, bem como nos governos, acho que é chegada a hora de nos unir e exigir nossos direitos neste pais. Um grande abraço. Eduardo Iglesias.

  2. Eduardo Jorge disse:

    Caros amigos, aqui é o Eduardo (o soldado da bicicleta girafa), estou com vocês nesta iniciativa oportuna. MAS AMOR E MENOS MOTOR! Vamos modernizar as nossas cidades, ciclovias, metrô, estacionamento para nossas bicicletas. O modelo que está aí é falido e os resultados é morte todos os dias, estresse toda hora, falta espaço, horizonte, saúde… falta soleriedade. Falta amor!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s